Captain America: Super Soldier


Jogos baseados em filmes costumam ser no mínimo, questionáveis. Quando baseados em quadrinhos, as chances do jogo ser uma porcaria são maiores ainda… Quem aqui não se lembra de Superman do N64? Ou de Enter The Matrix? Charlie’s Angels? Ou aquela porcaria do Spider-man 3? Oh, céus, ainda tenho náuseas de Batman Forever no SNES. Mas vez ou outra surgem bons jogos como Spider-man 2, ou X-Men Legends II: Rise of Apocalipse e diabos! Estou gostando de Arkham Asylum, só preciso de um joypad para jogá-lo no PC com afinco. Voltando aqui, esse ano tivemos o lançamento do filme do Capitão America, que junto com o filme do Thor, seria uma espécie de prévia do filme dos Vingadores, que juntará também o Homem de Ferro e o Hulk, dos que já tiveram filmes, e trará os outros heróis. Época gloriosa, esta que vivemos, hein?

Hein?

Er, aonde eu estava mesmo? Ah, sim, para acompanhar o lançamento do filme, a SEGA preparou um jogo que é e ao mesmo tempo não é baseado no filme. Quer entender como funciona isso? Me segue aí que eu te explico!

….

Captain America: Super Soldier
Produtora: SEGA
Desenvolvimento: High Voltage Software
Plataforma: Nintendo Wii
Gênero: Ação/Beat ‘em up

Ao invés de adaptar diretamente o roteiro do filme o que tornaria o jogo tão previsível quanto um filme pornô, a SEGA resolveu fazer algo diferente. O Capitão América, simbolo do Patriotismo norte americano, está no meio da guerra e tem que invadir as bases “nazistas”, que são as da Hydra, coisa que acontece no filme, mas o foco do enredo do jogo são as invasões, e lá, confrontaremos alguns dos inimigos do Capitão. Pegando uma paralela, nada mais é do que uma das investidas do exército Americano contra as forças do Eixo, coisa que cansamos de fazer em Call of Duty e Medal of Honor. Pena que nenhum desses jogos citados tenha o Capitão, eles seriam mais divertidos. Mas enfim, é isso.

No PS3 e no Xbox 360, temos um clone de Batman: Arkham Asylum, mas aqui é diferente, o que temos é um jogo de ação bem ao estilo Beat’em Up, mas com os recursos do Wii e as habilidades do Capitão América. O Wiimote é usado como mira para o escudo (e isso é extremamente necessário em alguns pontos), enquanto um dos gatilhos do nunchuk é usado pra arremessá-lo. E com as poucas combinações do wiimote + nunchuk, funcionam de maneira simples e fácil.
Em alguns momentos quando o oponente te ataca, você tem que apertar o [Z] do nunchuk para realizar um contra ataque, e isso é extremamente necessário para abrir a guarda de certos oponentes. O jogo flui de maneira linear, e sempre tem uma SETA ENORME para indicar o caminho a se seguir, mas há coisas escondidas e sempre é bom ter algo a mais pra se fazer. Nesse caso, há alguns sub-objetivos durante os estágios e pode-se desbloquear roupas extras pra Steve Rogers. Entre os objetivos, estão, encontrar e destruir as 10 bombas do caveira vermelha nos estágios, ou os tesouros de um dos vilões (que teve seu castelo roubado pela Hydra) ou resgatar três soldados feridos.
O jogo tem um lado (pequeno) RPG, pois cada inimigo derrotado rende alguns pontos de experiência (estrelas) que podem servir para adquirir pequenos upgrades para o Capitão. Nos combates contra os chefes, quando o adversário te agarrar pra surrar, você deve chacoalhar o wiimote feito um banana, ao menos isso não é frequente, já que chacoalhar o controle feito um retardado me lembra dos primórdios do Wii e nenhuma produtora sã pensaria em usar esse tipo de coisa de novo, certo?

Certo?

Os gráficos do jogo definitivamente não são o ápice do Wii, são medianos, o Capitão e os principais vilões estão bem modelados, contudo, os inimigos genéricos, que apesar de variarem um pouco, não receberam tal capricho na modelação, ficando até simplistas. Os cenários são bons e até bem feitos para um jogo de filme, mas são MUITO repetitivos, você passará horas por corredores do castelo, surrando meliantes até não poder mais.
A parte sonora recebeu (em sua versão em espanhol, a que foi jogada e usada para esta análise) uma agradável dublagem. Acredite, o dublador espanhol do Capitão América se saiu melhor que Chris Evans, e os outros se saíram razoavelmente bem em seus papéis. Já as músicas do jogo são passáveis, nada memoráveis, mas não perturbam seus ouvidos. Os efeitos sonoros do jogo são bons, nada demais.
Apesar de não reunir qualidades o suficiente para ser memorável, a High Voltage Software (de Conduit 2 e Leisure Suit Larry: Magna Cum Laude) entregou uma experiência sólida de jogo, com um gênero que é encarado com certo cinismo por parte dos jogadores. Pode não valer a compra para os mais aficcionados (talvez um aluguel), mas vale a pena ao menos ser conferido.
Nota: 7,0/10

Deixe um comentário

3 Comentários

  1. embora eu respeite o Capitão desde Marvel Super Heroes, não acho também esse jogo espetacular. ainda preciso ver o filme e…..para mim, o Chris Evans sempre será o Tocha Humana.

    Responder
  2. Eu vou ser honesto: depois de ter jogado Lanterna Verde e Thor no Wii eu já não tava dando fé nesse jogo… Ai ele me surpreendeu completamente. São 8-9h pra terminar o jogo e dá gosto procurar todos os segredos pra pegar os extras! Realmente um ótimo jogo licensiado para o Wii.

    Responder
    • Thor tem que ser jogado no DS. É a melhor versão (que joguei). Depois dizem que a do Wii é a segunda melhor, enquanto PS3 e 360 brigam pela menos pior em HD. Triste para o Deus do Trovão

      Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s